Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Como viviam os estudantes universitários.
O ensino na Idade Média – 4

Universidade Jagelônica, Cracóvia, Polônia
Universidade Jagelônica, Cracóvia, Polônia

continuação do post anterior

No conjunto, o estudante do século XIII não tem uma vida muito diferente da do século XX.

Conservaram-se e publicaram-se cartas dirigidas aos pais ou a colegas (Cf. Haskins, The life of medieval students as illustrated by their letters, in American Historical Review, III (1892), nº 2), que revelam aproximadamente as mesmas preocupações de hoje: os estudos, os pedidos de dinheiro e de provisões, os exames.

O estudante rico morava na cidade com o seu criado, os de condição mais modesta hospedavam-se em casas de burgueses do bairro Sainte-Geneviève e faziam-se exonerar de toda ou parte das suas taxas de inscrição na faculdade.

Encontramos frequentemente à margem, nos registros, uma menção indicando que fulano ou beltrano nada pagou, ou só pagou metade da remuneração, propter inopiam (devido à sua pobreza).

O estudante desprovido de recursos faz frequentemente pequenos trabalhos para viver. É copista, encadernador nos livreiros que têm loja na Rue des Écoles ou na Rue Saint-Jacques.

Além disso, pode ser custeado de cama e mesa nos colégios instituídos. O primeiro deles foi criado no Hôtel-Dieu de Paris por um burguês de Londres que, no regresso de uma peregrinação à Terra Santa, pelo fim do século XII, teve a ideia de fazer uma obra piedosa favorecendo o saber nas pessoas de modesta condição.


Deixou uma fundação perpétua, encarregada de albergar e de alimentar gratuitamente dezoito estudantes pobres, que só ficavam sujeitos a velar os mortos do hospital e a levar cruz e água benta por ocasião dos enterros.

Um pouco mais tarde fundaram-se de igual modo o colégio Saint-Honoré e o de São Tomás no Louvre, seguidos de muitos outros.

Pouco a pouco, ganhou-se o hábito de organizar nesses colégios sessões de trabalho em comum, como nos seminários alemães, ou os grupos de estudos que funcionam desde alguns anos antes nas nossas faculdades.

Os professores vieram aí lecionar, alguns fixaram-se, e por vezes o colégio tornou-se mais frequentado do que a própria universidade, como acontece com o colégio da Sorbonne.

No conjunto havia todo um sistema de bolsas, não oficialmente organizado, mas correntemente em uso, e que se aparentava com a Escola Normal Superior francesa, menos o exame de entrada, ou ainda aquilo que se pratica nas universidades inglesas, nas quais o estudante bolsista recebe gratuitamente não apenas a instrução, mas ainda cama e mesa, e por vezes vestuário.

(Autor: Régine Pernoud, “Lumière du Moyen Âge” - Bernard Grasset Éditeur, Paris, 1944)




GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.