Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Como eram as casas das cidades medievais

Reconstituição de uma moradia camponesa. Museu de Lourdes.



O elemento essencial da casa medieval, sobretudo no norte da França, é a sala comum em que se reúne toda a família nas horas das refeições, e que preside a todos os acontecimentos: batismos, casamentos, velório dos mortos.

Na sala se vive, nela a família se reúne à noite diante da grande lareira, para se aquecer e contar histórias antes de ir para a cama. Isto se repete tanto nas casas dos camponeses como nos castelos.

Os outros compartimentos são apenas acessórios, o importante é a sala familiar, que os franco-canadenses chamam ainda “viveiro” (le vivoir).

Quando o nível da casa o exige, a cozinha é separada. Por vezes mesmo, nos castelos, ocupa um edifício à parte, sem dúvida para limitar os riscos de incêndio.

As vastas cozinhas de mitra da abadia de Fontevrault, as do palácio dos duques de Borgonha, em Dijon, permaneceram como eram.

Além das múltiplas salas de guarda, salas de aparato e outras que uma residência senhorial pode comportar, a casa burguesa inclui as oficinas de trabalho, se for o caso, e os quartos.

Os banheiros e higiene pessoal

Para entrar em todos os pormenores, encontramos adjacentes aos quartos os redutos chamados longaignes ou privadas, que costumamos designar como W.C.

Por espantoso que possa parecer, não faltava em nenhuma casa da Idade Média aquilo de que Versalhes estava desprovido.

A delicadeza ia mesmo muito longe neste aspecto, pois parecia pouco refinado não possuir as suas privadas particulares.

A regra manda que, pelo menos nas casas burguesas, cada um tenha as suas e seja o único a usá-las.

Os costumes só se tornaram grosseiros neste ponto a partir do século XVI, quando foram desprezadas quase todas as práticas de higiene que a Idade Média conhecia.

A abadia de Cluny, no século XI, não contava menos de quarenta latrinas.

O que poderá parecer mais incrível, embora seja igualmente verdadeiro, é que as latrinas públicas existiam na Idade Média.

Temos provas disso em cidades como Rouen, Amiens, Agen. A sua instalação e manutenção eram objeto de deliberações municipais ou entravam nas contas da cidade.

Nas casas particulares, as privadas situavam-se muitas vezes no último andar.

Banho na Idade Média.
Banho na Idade Média.
Um conduto ao longo da escada corresponde aos esgotos ou vazadouros, ou ainda a fossas muito semelhantes às usadas atualmente.

Utilizava-se mesmo cinzas de madeira, um procedimento parecido com o das mais modernas fossas sépticas, pois têm a propriedade de decompor os detritos orgânicos.

Documentos mencionam a compra de cinzas destinadas às latrinas do hospital de Nîmes, no século XV.

No palácio de Avignon, os condutos desaguavam num esgoto que ia dar no Sorgue.

E sabe-se que foi penetrando pelas fossas das privadas — o único ponto que não se tinha pensado em fortificar! — que os soldados de Filipe Augusto se apoderaram da fortaleza de Château-Gaillard, orgulho de Ricardo Coração-de-Leão.

A mobília

Os quartos eram mobiliados com mais conforto do que geralmente se crê. O mobiliário compreende as camas “bem adornadas e cobertas de colchas e de tapetes, com lençóis brancos e peles” (Cf. Le Ménagier de Paris.), tamboretes, cadeiras de espaldar alto e esses baús e cofres esculpidos onde se guarda a roupa, de que se podem ver ainda belos espécimes nomeadamente no hospício de Beaune.

As madeiras dessa época são muito belas. Preparadas e enceradas devidamente, não absorvem a poeira e são um mau alvo para os insetos. Há ainda as arcas para o pão, os aparadores e guarda-louças.

Quanto às mesas, são simples tábuas que se montam sobre cavaletes no momento de servir, e que se guardam depois junto às paredes para não estorvarem.

Em contrapartida, faz-se muito uso de panos e tapeçarias, que protegem do frio e abafam as correntes de ar. As que nos restam — por exemplo, o admirável conjunto da Dame à la licorne, conservado no Museu de Cluny — dizem bem que partido delas se podia tirar para mobiliar e decorar os interiores;

Trata-se, evidentemente, de um luxo reservado aos castelãos e aos ricos burgueses, mas o hábito de usar tapetes e xairéis (espécie de coberturas) era geral.

(Autor: Régine Pernoud, “Lumière du Moyen Âge”, Bernard Grasset Éditeur, Paris, 1944)


Um quarto de dormir medieval. Museu do Louvre.




GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

A construção civil se fazia com os materiais da região

Bruges, na Bélgica.
Bruges, na Bélgica.





Sabe-se na Idade Média que não existe conforto sem paredes espessas servindo de proteção.

Segundo os recursos do local, são construídas em tijolo ou em pedra talhada, no caso dos ricos.

Na maior parte dos casos, mistura-se madeira e adobe, como acontece um pouco por toda parte até aos nossos tempos.

Constrói-se no chão toda a armadura da fachada, em vigas sabiamente unidas umas às outras.

A seguir procede-se de uma só vez ao levantamento, com a ajuda de cabrestantes, macacos e polés, para depois se guarnecer os interstícios com tijolos ou com o material usado na região.

As igrejas que nos restam dão em geral a nota do aspecto das casas.

No Languedoc triunfa o tijolo rosa, que dá um brilho tão particular às igrejas de Toulouse ou de Albi.

Kayserberg, na Alsácia, França.
Kayserberg, na Alsácia, França.
Em Auvergne constrói-se em pedra, aquela sombria pedra de Volvic de que a catedral do Puy ou a de Clermont-Ferrand fornecem imponentes exemplos.

Nas regiões de terra argilosa, como no Midi provençal, casas e monumentos são cobertos de telhas, que tomaram ao sol essa cor de mel tão característica em aldeias como Riez ou Jouques.

Na Borgonha a telha é de preferência envernizada, rebrilhando os telhados em cores ofuscantes, como no hospício de Beaune e Saint-Bénigne de Dijon.

Na Touraine, no Anjou, utiliza-se a ardósia extraída na região.

E quando as igrejas não são abobadadas, apenas emadeiradas como acontece frequentemente no norte e em torno da bacia parisiense, é porque as florestas, mais numerosas do que as pedreiras, tornavam este modo de revestimento mais econômico.

Nessas regiões, as residências dos particulares eram quase sempre cobertas de colmo, mesmo na cidade, o que não deixava de aumentar os riscos de incêndio.


Leis municipais ditadas pelo costume e os usos locais

Beehive Cottage, em Lyndhurst. Grã-Bretanha. Exemplo de casa camponesa.
Beehive Cottage, em Lyndhurst. Grã-Bretanha. Exemplo de casa camponesa.
Um pouco em toda parte, as autoridades municipais prescreviam aos habitantes medidas de prudência para evitar os sinistros.

O toque de recolher não tinha outra razão de ser.

Em Marselha recomenda-se aos armadores, quando procedem à brusque (operação que consiste em aquecer a quilha do navio em construção, para o besuntar mais facilmente de pez), que vigiem a chama para esta não ultrapassar uma certa altura.

Dizem os estatutos da cidade: “Nem sempre está ao alcance do homem conter as chamas que ele próprio ateou”.

Após um incêndio que ocorreu em Limoges em 1244, destruindo vinte e duas casas, mandou-se construir vastos reservatórios de água, aonde os burgueses se vinham abastecer em caso de alerta.

Quando se declarava um incêndio, era dever de todos acorrer com um balde d’água ao toque a rebate.

Toda a gente devia colocar outro balde diante da porta de casa, por precaução.


(Autor: Régine Pernoud, “Lumière du Moyen Âge”, Bernard Grasset Éditeur, Paris, 1944)






GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS