Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 25 de julho de 2017

Turistas e artistas hoje
querem visitar casas do povo medieval

Casas populares em Colmar, Alsácia, França
Casas populares em Colmar, Alsácia, França
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Não é preciso recorrer a documentos; basta olhar os monumentos medievais que restam hoje em dia e que os turistas do mundo inteiro vão admirar para ver que o povo na Idade Média não se reduzia à manada de gente pobre, esquálida, sugada, de que nos falam os anti-medievalistas frenéticos de nossa época.

Basta ver as bonitas casas populares de uma cidade histórica na Europa.

Na foto, as casas se refletem poeticamente no curso de água.

Muito caracteristicamente os vigamentos que estão do lado de fora constituem um ornato e os terraços todos no verão têm flores como na foto embaixo.

Todas essas casas pertenciam à plebe na Idade Média. Eram casas de plebeus, alojamentos de burgueses, ou trabalhadores manuais.

Com este conforto e bom gosto vivia a plebe na Idade Média, da qual tanto mal se fala em nossos dias.

Para ver essas casas populares da Idade Média viajam turistas e artistas do mundo inteiro.

Aldeia de Kayserberg, Alsácia, França
Aldeia de Kayserberg, Alsácia, França
São obras de arte. Quem é que construía essas obras de arte?

Não eram grandes engenheiros especializados. Eram artesãos comuns saídos da plebe, mas educados num ambiente de tanto idealismo, poesia e cultura que eles faziam isso com toda naturalidade.

Os construtores dessas casas não são célebres. Geralmente foram famílias que Foram aperfeiçoando um sonho comum. Os nomes deles foram esquecidos, as casas ficaram. Do mundo inteiro vão pessoas para ver.

Pensemos num bairro popular da periferia de uma grande cidade. Transitando por eles a gente vê um número enorme de construções.

Os turistas do futuro vão vir vê-las no século futuro e parar extasiados? O que é que o século XX trouxe de melhor ao povo do que a Idade Média?

Beehive Cottage, Lyndhurst, Grã-Bretanha. O cottage é uma casa rural típica inglesa
Beehive Cottage, Lyndhurst, Grã-Bretanha. O cottage é uma casa rural típica inglesa

Casas medievais desse tipo têm espalhadas pela Europa inteira. Na França, Alemanha, Portugal, Suíça, Inglaterra, etc.

Tem por toda parte e por toda parte houve muitas mais ainda. Muitas foram destruídas porque envelhecem e foram reformadas com outros estilos, outras ficaram.

Mas, estas eram a habitação comum das cidades. Era portanto o modo de viver do operário na Idade Média.

Realmente, a Idade Média foi a era de ouro do operário europeu.



(Fonte: Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, excertos de palestra em 22/4/1973. Sem revisão do autor).


GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

quarta-feira, 19 de julho de 2017

A família medieval: muitas gerações
e uma mesma herança espiritual e material

Conceito medieval da família: a árvore genealógica e a continuidade familiar
Conceito medieval da família: a árvore genealógica e a continuidade familiar
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A família foi a alma viva da ordem cristã medieval. A sua influência continuou - e continúa - muito depois.

Eis como o erudito Mons. Delassus nos fala de seu benéfico influxo nos séculos passados:

"Citemos como exemplo algumas linhas extraídas do livro de família (*) de André d'Ormesson, conselheiro de Estado [na França] no século XVII:

Que nossos filhos conheçam aqueles dos quais descendem por parte de pai e mãe, que eles sejam incitados a rezar a Deus pelas suas almas e a bendizer a memória das pessoas que, com a graça de Deus, honraram a sua casa e adquiriram os bens de que eles usufruem.

"Outro pai de família escreve em 1807:

Encontrareis, meus filhos, uma sequência de ancestrais estimados, considerados, honrados na sua região e por todos os seus concidadãos.

Uma existência honesta, uma fortuna mediana, mas uma reputação sem mancha, eis o capital que vem sendo transmitido, durante quatrocentos anos, por onze pais de família que jamais abandonaram o nome que receberam nem a terra em que nasceram.

"Por esta palavra família, portanto, não se entendia somente, como hoje, apenas o pai, a mãe e os filhos, mas toda a linhagem dos ancestrais e a dos descendentes que viriam.