Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 30 de junho de 2015

Fé, senso artístico, bem-estar popular na civilização orgânica e cristã

Prefeitura de de Tolosa, Espanha.
Prefeitura de de Tolosa, Espanha.




Se Antero de Figueiredo houvesse feito pela causa da Revolução, e especialmente pela do comunismo, todo o bem que fez pela Igreja, seria ainda hoje, no Brasil, um escritor famoso.

Todas as oficinas de popularidade que a esquerda tem tão numerosas e ativas, celebrariam amiúde a original beleza de seu estilo, a sua "verve", seu pensamento profundo, substancioso e límpido, bom como a finura de seu senso de observação.

E numerosos críticos católicos, da cátedra e da imprensa, diriam encomplexados e enfáticos: "quanto a esse grande, esse imortal escritor, embora não tenha eu bem precisamente suas idéias, compraz-me em reconhecer e proclamar com a mais intransigente imparcialidade que teve de sobejo as seguintes qualidades...", e viria em continuação a cantilena laudatória copiada com humildade e precisão dos textos da propaganda subversiva.

Mas acontece que Antero foi católico, e, crime ainda mais grave, católico genuíno, apóstolo destemido e eficiente da Contra-Revolução.

Eis porque vai caindo no olvido. É que o mesmo complexo feito de pouca fé, de tibieza e de faceirice, que nos leva a ser turiferários da Revolução, nos tira a altaneria necessária para afirmar em face dela os verdadeiros valores da verdadeira cultura, verdadeiramente católica.

* * *

Transcrevamos pois uma passagem de Antero, em que ele glorifica um dos mais belos aspectos do que é o povo na civilização cristã ("Espanha", 4ª edição, pp. 280-285).

Casa na cidadezinha de Elorrio, Vizcaya, Espanha.
Casa na cidadezinha de Elorrio, Vizcaya, Espanha.
Bem o contrário da massa anônima, vazia, cansada e revoltada dos bairros proletários nas grandes cidades modernas, é esse povo hispânico estuante de fé, transbordante de personalidade e de saúde, das Vascongadas.

Os filhos da Guipuzcoa — parte das Vascongadas — se reputam todos fidalgos, mesmo quando são simples trabalhadores do campo... sem  reforma agrária. E Antero de Figueiredo nos dirá porque.

Nossos clichês, com casas da Biscaia — também parte integrante das Vascongadas — ilustram adequadamente as descrições do literato português. Descrições que constituem um excelente conjunto de observações sobre a sociedade orgânica, qual floresceu na Espanha, nossa nobilíssima e cristaníssima irmã.

* * *

"É nestes verdes outeiros (da Guipuzcoa) que assenta a casa basca, típica, de lavradores, casa ao mesmo tempo rústica e senhorial, — singela nas suas linhas aldeãs, nobre no seu aspecto grave, e pitoresca no conjunto. ( ... ) aqui é que ela, a casa basca, é como Deus a deu, quero dizer simples e natural, autóctone, nascendo do solo e do clima, para servir o lavrador em suas precisões domésticas, agrícolas, pastoris, e também em seus brios de raça de lavradores-cavaleiros, como assim se consideram estes rústicos vasconços de avoengas linhagens.

Casa de camponeses, no Parque Natural del Gorbeia, País Vasco, Espanha. Hoje é hotel disputado por turistas.
Casa de camponeses, no Parque Natural del Gorbeia, País Vasco, Espanha.
Hoje é hotel disputado por turistas.
"...Hidalgos todos, que por derecha línea descendían de la primera sangre", como diz Lope de Vega dos navarros aldeões de Baztan.

Ela é sempre um casarão de paredes sólidas, onde se encontra num só edifício o que em outras terras anda separado em construções distintas: a casa de habitação do amo, a dos servos, os currais, os palheiros, os alpendres dos carros, das caniçadas, do arado, das grades — de toda a alfaia agrícola.

"O basco instala debaixo do mesmo teto a família, os criados, os gados, os fenos, a adega do vinho, a tulha da azeitona, o celeiro do grão, Nestas casas, o enorme telhado de duas águas (...) diz a vida patriarcal que em comum fazem homens, mulheres, crianças, animais, utensílios, coisas, albergando todos e tudo sob a sua proteção.

"Na fachada, esse beiral colabora esteticamente com sua sombra; materialmente, com seu conforto; moralmente, com seu carinhoso gesto de abrigo.

"Que honrados e afetuosos são estes telhados e beirais! Dão a impressão de que, nas longas seroadas invernosas, à hora benta da leitura dos livros santos e das rezas em comum, todas as pessoas e coisas — família, servos, arados, rocas, a masseira do pão, os tonéis da sidra, as talhas do azeite — acompanham as orações do senhor e amo; e que nos currais os rebanhos se quedam em silêncio religioso e as almas dos brutos e as dos objetos se cristianizam, ouvindo as palavras de Jesus.

Casa popular em Martindozenea, Guipúzcoa, Espanha.
"(...) Para o primeiro andar sobe-se por uma exterior escada de pedra, com alpendre à entrada - galilé de religioso e hospitaleiro acolhimento. O arquiteto, a visar somente a função útil do edifício, pensou menos, talvez, na função bela da construção; no entanto, esta lá floriu espontânea, logicamente nascida do próprio arranjo arquitetônico, em ornatos tão naturais que sua arte é da melhor por ser arte em que se não vê propósito de o ser.

"Assim, são ornato os grossos cachorros do beiral, que vêm a ser o prolongamento (topos apenas cabeçados, e arestas apenas afagadas) do forte travejamento, galgado com o da cumeeira, e vindo de fora a fora, das traseiras à frontaria, com é também o grande telhado, que desce e esborda nas ilhargas sustidas por espeques, cuja fileira, obliquando da parede às telhas vermelhas, toma, na perspectiva, o aspecto de lanças paralelas, enristadas, a sustentar um toldo carmesim: - o beiral.

"Nos andares de enxaiméis, para melhor segurar os enchimentos de barro e cal, as vigas ao alto têm de ser próximas e salientes; e, pintadas de verde, - seus traços verticais, eqüidistantes e simétricos, ornam a fachada.

"O pouco acabamento, em apicoado grosso, no calcáreo amarelento do arco e nos umbrais da entrada para as lojas, é tão bem cabido que dir-se-ia um rústico florentino; e, pelo cunhal acima, as agulhas de pedra, grandes e pequenas, que o vão travando, postas à vista e em relevo, tostadas pelo sol e musgadas pelo tempo, adornam a fachada com as suas rachas coloridas a destacarem-se na cal.

"As paredes exteriores da casa enchem-se de cores - luz e sombra - dos topos e das fileiras dos barrotes que sustentam o varandão, e pela cepa que por sobre o seu peitoril debruça festões de parras verdes ligados aos verdes dos campos e das copas das faias - fundos em que ela pousa.

"E nenhuma destas famílias de lavradores deixa de patentear suas crenças religiosas e seus pergaminhos heráldicos: cravados nas paredes há velhos baixos-relevos de Santas ou Santos protetores do casal, ao lado de pedras de armas, nesta região em que o maior número se julga fidalgo, porque, segundo o basco Perochegui, "Vascongadas e Navarra são o seminário da nobreza de Espanha", visto Sancho VIII, "El fuerte", agasalhador dos aldeões navarros, a todos haver feito fidalgos: - "todos igualmente nobles, porqué su nobleza tiene una sola origen", dizia".
ANTERO DE FIGUEIREDO


GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

terça-feira, 10 de março de 2015

Harmonia e caridade nas classes sociais
no castelo da Princesa de Chimay

Castelo de Chimay hoje


Talleyrand nos conta nas memórias dele, o que acontecia no castelo da avó dele, a Princesa de Chimay.

Chimay é um grande título da Bélgica.

Ser Princesa de Chimay era quase como que ser Grã-Duquesa de Luxemburgo, quer dizer, uma soberana independente, de um pequeno feudo.

Quando chegava aos domingos, ela primeiro ia à Missa na capela do castelo. As pessoas pobres da zona que quisessem assistir à Missa iam para o castelo e também assistiam.

Depois da Missa, a princesa ia, acompanhada da pequena nobreza local – portanto, nobreza autêntica mas muito inferior à dos príncipes de Chimay –, para a sala onde ela, a bem dizer, reinava como rainha.

O castelo de Chimay numa iluminura
Ela tinha uma espécie de trono sobre um estrado. Ela subia lá, podia haver uma pequena música militar que a banda tocava enquanto ela passava da capela do castelo para a essa sala.

Os pequenos nobres iam levando as coisas necessárias para a princesa exercer suas atividades curativas.

Um levava panos para passar ungüentos, outros levava uma maleta com remédios, outro levava uma caixa com tesouras e outras coisas que facilitavam alguma pequena intervenção como que cirúrgica.

E a princesa sentada no trono e olhando com bondade para aquele povo que estava lá.

O povo olhava como estava vestida a princesa, como é que ela fazia, como estavam vestidos os parentes dela.

Eles sabiam que a moda mudou vendo os fidalgos pequenos e grandes mudarem de vestidos e de roupas. Viam como se conversava elegantemente, acompanhavam os gestos e a gesticulação da conversa, etc.

Depois começava o desfile das misérias.

Os doentes e os pobres iam passando, ela ia perguntando por que é que não veio tal parente do pobre, se ele melhorou, se não melhorou, mandava lembranças, mandava um pequeno presente, ou então mandava um conselho para fazer tal ou tal coisa para melhorar, etc.

A atual princesa de Chimay recebe simpaticamente os visitantes no castelo
Os populares que podiam, traziam também pequenos presentes.

Às vezes eram petiscos, pães saborosos, leite, ovos, galinhas, porquinhos, frutas, legumes.

E a Princesa de Chimay aproveitava a ocasião para dar esses presentes aos que estavam mais necessitados ou mais fracos.

Isso levava tempo. Quando terminava, os nobres iam todos para a sala de jantar da nobreza.

E na copa e cozinha, e ainda em outras dependências, era a grande festa dos pobres que quisessem ficar para tomar sua refeição pela generosidade da princesa.

Depois isto tudo se dissolvia e o castelo voltava ao seu silêncio majestoso, na paz e no contentamento de alma de todos.


(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, palestra em 8/4/94, sem revisão do autor)



GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

A força do vínculo familiar na Idade Média



Na Idade Média havia guerras de castelo a castelo, uma família entrava em luta com outra.

E isso causa uma sensação misturada de censura e admiração. Não é só de censura, mas também de admiração.

A censura se compreende facilmente: não se guerreia à toa, e sobretudo entre católicos.

Mas, a admiração de onde vem? Não se percebe logo qual é o fundo de admiração.

Ela vem exatamente desse ponto: que haja guerra privada é uma coisa péssima, porque não se compreende que as várias partes de um todo façam guerra entre si.

Mas a guerra de castelo a castelo, de família a família, era uma afirmação da solidariedade dos vários elementos componentes de uma família. Se um membro foi atingido, toda a família se mobiliza e vai combater a outra família, que, também ela, se defende.

Certos historiadores e pregadores de meia tigela vituperam esse costume. Mas, curiosamente, o acham bonito quando o contexto é emoliente e até imoral.

Por exemplo, a atmosfera de Romeu e Julieta, a briga das famílias Capuleto e Montechio entre si, tem um fundo sentimental e por isso é promovida modernamente.

Essa briga é inteiramente antinatural. Duas famílias que fazem parte de uma mesma cidade e combatem entre si é uma coisa mal feita.

Mas, entre os dois extremos:

1) das famílias cujos membros já não têm solidariedade entre si e não se apoiam uns aos outros, e por isso não brigam, ou

2) a das famílias cuja solidariedade chega até o exagero do combate,

Eu prefiro ainda, como abuso menor, o exagero do combate, do que a completa dissolução e liquidação da família, para dar nesta espécie de compoteiras de asfalto que são as sociedades modernas.

A causa admirável é a predominância da vida de família em toda a organização política e social da Idade Média e nas instituições que sobreviveram à Idade Média até a Revolução Francesa.


(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, palestra em 1955, sem revisão do autor).


GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

A nobreza do campo brilhava pela capacidade de dirigir respeitosamente a vida agrícola

Casamento de de Carlos VIII e Ana da Bretanha
no castelo de Langeais, França


A nobreza do campo se encontrava com alguma frequência com a nobreza de cidade.

Mas os desentendimentos entre uns e outros não eram pequenos.

A nobreza da cidade tinha como objetivo a cultura, o brilho e a delicadeza, enquanto a nobreza do campo privilegiava a força, a capacidade de dirigir, de administrar, de conduzir com respeito cerimonioso toda uma população de uma aldeia.

Para a guerra, uns e outros competiam, arriscavam a vida com uma audácia que poderia quase ser chamada de loucura. E que representava, em última análise, a velha tradição heroica da Idade Média.

Para a guerra, nobres do campo e da cidade se vestiam como para as mais belas festas, sabendo que muitos iam morrer. E aqueles que daqui a pouco seriam cadáveres, eram sóis partindo a cavalo para o ataque do adversário.

Castelo de Fontaine-Henry: reencenação histórica
Reencenação histórica no castelo de Fontaine-Henry, França
O bonito era quando, no começo de uma batalha, as filas inimigas se formavam uma em frente da outra, e o general de cada exército passava em revista seu próprio exército. Então era aclamado pelos soldados.

Os franceses, vestidos com a graça e elegância que todos sabem que é a deles, faziam a chamada guerre en dentelles. Dentelles é renda. Guerras de renda.

Eram muitas vezes ainda couraças, porque as armas de fogo da época eram mais fracas e ainda justificavam o uso de couraças refulgentes.

Mas, por cima delas, os nobres usavam golas de seda e rendas, que saíam da altura do pescoço como uma cascata que cobria o aço, cuja refulgência se via através dos movimentos do tecido.

O que é o papel dessas duas nobrezas? Era fazer notar o verso e o reverso da medalha.

O nobre deve ser fino, elegante e leão. Ele deve ser culto, distinto, bon causeur, sabendo conversar agradavelmente.

Mas, ao mesmo tempo, deve ter uma presença que impõe respeito e até medo.

Em volta dos castelos, a nobreza promoveu
uma agricultura de grande qualidade
Não podendo tudo isso rebrilhar cumulativamente numa só pessoa, a não ser em casos muito raros, era preciso que houvesse uma nobreza da força e uma nobreza da graça.

A nobreza da força sabia entrar em discussão, em confronto, luta, com a nobreza da diplomacia, da política, da vida de corte e da direção administrativa dos altos cargos e altos feudos do reino.

Então, como não cabe reunir todas essas qualidades a não ser em pessoas excepcionais, era preciso que houvesse duas nobrezas. E que cada uma tomasse sobre si alguma coisa.

E o conjunto constituía la noblesse d'épée du royame de France.

O país que com mais harmonia soube unir as qualidades da nobreza da terra e da nobreza de cidade foi a Alemanha.

Milhares de nobres com castelos ainda da Idade Média muito conservados e habitados por seus antigos donos, tinham um mundo de pequenos estados em que cada nobre era soberano e vivia quase como um pequeno rei dentro dele.

Não havia apenas pequenos reis, havia nobres de categorias intermediárias.

Festa no castelo de Vaux-le-Vicomte, França
Por essa forma, a nobreza castelã vivia formando sua corte, e sendo o nobre, ele próprio, um pequeno rei do seu pequeno reino ou feudo.

E reunindo numa espécie de miniatura encantadora os traços distintivos de uma nobreza e de outra.

Quem quiser ter ideia como se vivia nesses feudos pode ler um livro francês, escrito por uma fidalga alemã horrivelmente protestante, a Baronesa de Oberkirch.

Essa baronesa fez uma viagem à França de Luís XVI como dama de honra da princesa casada com o príncipe herdeiro da Rússia, portanto, o futuro Czar.

E antes de visitar a França, ela escreveu um pouco sobre Oberkirch e sobre Würtemberg, no qual Oberkirch era uma coisa um pouco mais ou menos como um enclave com certa autonomia própria.

Então ali ela descreve a pequena nobreza alemã vivendo num misto de campo, castelo e palácio que é verdadeiramente um encanto.

(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, palestra em 8/4/94, sem revisão do autor)


GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS