Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O clérigo medieval: um apaixonado por Nosso Senhor Jesus Cristo


Na ordem social medieval é preciso distinguir três categorias essenciais. A mais alta é a dos clérigos. O clérigo é por excelência um homem de oração e estudo.

O próprio do clérigo é um modo de considerar a pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Não considera a Jesus Cristo como um qualquer que olha e exclama “Aahh!” Não.

O bom clérigo olha para Nosso Senhor com uma espécie de enlevo apaixonado.

Há também o mau clérigo, e esse elogio que eu estou fazendo não cabe a um mau clérigo.

Então, o bom clérigo se caracteriza por uma espécie de paixão por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Por exemplo, quando ele considera a Paixão e Morte de Nosso Senhor, ele é propenso a se compenetrar de tal modo que ele até chora.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Por que a ordem medieval é também uma via para contemplar e adorar a Deus



A graça de Deus, quando é correspondida pela pessoa, não só faz funcionar bem a sociedade, mas faz funcionar internamente bem a pessoa.

A sua inteligência funciona bem, a sua vontade funciona bem, a sua sensibilidade funciona bem, e a pessoa fica em condições ideais para a produção daquilo que pode produzir.

Por exemplo, um artista que tem dotes de escultor. Se ele utilizar adequadamente sua capacidade escultórica, ele sai um escultor tão bom quanto a dose de talento que ele tem proporciona.

Se for assim, então é preciso reconhecer que um grande escultor recebendo a graça vai até o teto, e que nenhum escultor dará tudo que pode se não for animado pela graça.

Então, vendo uma obra-prima medieval, pode ser que essa obra-prima tenha sido feita por um homem que estivesse em estado de pecado mortal e que, portanto, não estava animado pela graça.

Mas ele adquiriu certos hábitos artísticos em virtude de um ambiente onde vivia muita gente cheia da graça de Deus. Esse ambiente tinha exigências que o artista procurava satisfazer e o obrigava a fazer tudo bem.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Quando os Mandamentos de Deus regem a sociedade humana

Se imaginarmos uma sociedade em que ninguém cumpre os Mandamentos da Lei de Deus, ter-se-ia uma sociedade que vai explodir.

Se imaginarmos uma sociedade onde todos cumprem os Mandamentos, ter-se-ia uma sociedade em pleno florescimento.

A razão é muito simples: os Dez Mandamentos mostram a ordem que Deus pôs nas coisas.

Esta ordem posta por Deus produz naturalmente frutos.

E os frutos do precioso Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo para que todas as coisas dêem certo são excelentes.

Por quê?

Porque pelo sangue d’Ele nós obtemos a graça, e sem a graça nós não obteríamos nada.

E é essa graça que nos torna capazes de cumprir os Mandamentos.