Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Diferença proporcionada de classes e participação harmônica e desigual na direção da sociedade

A Igreja Católica, na Civilização Medieval, manteve o regime das classes sociais diferentes, reconhecendo a existência de um clero, uma nobreza e um povo.

Mas ao mesmo tempo que manteve essa diferença, alterou fundamentalmente alguns aspectos dessa diferença.

Antes de tudo, a primeira das classes sociais, que era o clero, era uma classe completamente aberta a todas as pessoas que tivessem vocação para nela ingressar.

A Igreja nunca exigiu que a pessoa pertencesse a determinada classe social para chegar a entrar no clero.

Pelo contrário, foi muito freqüente o exemplo de pessoas pertencentes às camadas mais modestas da sociedade e que ascendiam a mais alta categoria da hierarquia eclesiástica.

De outro lado, tínhamos a nobreza. A nobreza era uma classe hereditária, mas havia aí também uma grande diferença.

Em primeiro lugar, um nobre podia ser destituído de sua nobreza, se ele praticasse determinados atos infamantes.

De outro lado, um plebeu poderia ser promovido a nobre se ele praticasse atos de relevância.

De maneira que a condição de nobre não era uma condição fechada, na qual ninguém pudesse entrar e ninguém pudesse sair.

Era, pelo contrário, uma condição que passava por uma renovação lenta.

Aos poucos os elementos deficientes eram eliminados e os elementos novos que iam aparecendo, eram aproveitados. Esta classe era uma classe que tinha alguma fixidez, mas era uma classe aberta.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Integração entre o campo e a cidade na Idade Média

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na vida medieval não existia antagonismo entre o campo e a cidade. A cidade estava integrada na vida rural como uma cereja no chantilly.

No século XIII São Tomás de Aquino ensinava que a cidade tem um limite a partir do qual ele fica grande demais.

Qual é?

No momento que desde algum local da cidade não se enxergasse a natureza, a cidade tinha atingido o seu tamanho máximo.

Por isso havia uma proporcionalidade e uma integração notável entre o campo e a cidade.

Com toda naturalidade, uma pessoa passeando pela cidade acabava chegando ao campo e prolongando o passeio pela natureza vizinha.

Da mesma maneira o camponês entrava e saia da cidade para suas necessidades.

Na cena acima temos uma cena da vida pastoral. É o tempo da colheita. Homens e mulheres estão engajados, pois há muito para colher.

No fundo vê-se a cidade tão bonitinha que se diria de conto de fadas. As construções são sólidas em pedra e as agulhas sobem muito alto. O sino marca as horas e ouve-se à distância.

No alto do morro há um moinho que aproveita o vento para gerar trabalho, pelo geral moer o trigo para fazer a farinha, ou bombear água.

Com que amor pelas coisas do campo o desenhista representou a natureza! Essas árvores quase que se diriam árvores do Paraíso!

A vegetação evidentemente está estilizada; os cordeirinhos estão postos para enfeitar.

Os camponeses mais uma vez aparecem como gente gorda, forte.

É assim que incontáveis desenhos do tempo apresentam os camponeses, em livros muitas vezes destinados para bibliotecas municipais e serem folheados e vistos pela plebe.

Eles eram desenhados por gente da plebe, porque os autores de iluminuras em geral eram plebeus.

Muitas vezes eram filhos desses camponeses, ou tinham sido camponeses eles próprios.

Em tudo vê-se a alegria, a inocência, a satisfação, a despreocupação da vida campestre medieval.

A cena seguinte é de mais um almoço popular.

Pelo traje vê-se que são plebeus. Estão sentados numa espécie de taverna ao ar livre.

No fundo um sujeito enche os canecos com cerveja ou vinho que o garçom leva para os consumidores nas mesas.

Na cena da taverna aparecem dois andares.

Em cima estão o andar dos fregueses, ao que parece catando os vinhos. Embaixo está a adega.

O fornecedor também tem um guiché ao lado or onde passa para os servidores os líquidos que vão ser servidos em cima.

Os plebeus estão vestidos com abundância de panos.

Era preciso realmente que o pano não fosse caro nessa época para eles terem tanto tecido para gastar.

Eles bebem de bom grado, que jeito de pessoas satisfeitas da vida eles dão! É cena tipicamente plebeia.

Não espanta que os clientes sejam gordos, mas não são só eles, até o servidor é gordo e está satisfeitão.




GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS