Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Veneza: cidade que desafia o equilíbrio

Veneza é uma cidade que desafia o equilíbrio. Ela é uma sublime explosão de cores e de formas meio despreocupadas tendendo a um prodigioso meio irreal.

Veneza embriaga.

Veneza é uma das muitas Itálias, porque houve incontáveis Itálias.

Podemos ver antes de tudo, a diferença que vai entre o Campanile ‒ que é uma torre contendo os sinos ‒, e a Basílica de São Marcos.

De lado, fica o incomparável Palácio dos Doges, governantes supremos da República de Veneza eleitos cada cinco anos.

A Basílica é a capela dos Doges e a torre é o campanário da Basílica.

O Campanile é reto, vai para o céu quase como um desafio. Ele se despreocupou completamente com o que está ao redor dele, não liga para nada.

A parte de baixo toda nua, simples, tem um gosto italiano muito especial. É um pe-queno pormenor, não no centro como poria o francês, mas de lado: uma fila de janeli-nhas.



A gente não sabe como eles imaginaram pôr essas janelinhas desse tamanhinho e de lado. Mas a massa da torre seria monótona sem elas, e perderia sua imponência se tivesse janelinhas demais.

Sem as janelinhas ficaria um fracasso. Com janelinhas lá, aqui, acolá, ficava uma torre banal, um pombal. Com essas janelinhas de lado, ela fica perfeita.

O que esse Campanile tem de comum com a Basílica? Quase nada.

A Basílica é indescritível, parece trazida do Oriente por anjos. Não há elogio que baste para ela.

Ela também se divide em duas partes definidas. A parte de baixo é escura. Nela, há duas arcadas menores e um grande arco central.

Na parte de cima, luminosa, há uma espécie de rosácea e um rendilhado em pedra, com três cúpulas, que são uma verdadeira maravilha. Elas parecem brancas pela luz do sol, mas de fato, elas mudam de cor com o céu.

Quando eu visitei Veneza, uma noite havia um grande concerto. Os refletores iluminavam as cúpulas.

E à medida que a orquestra ia tocando, as luzes iam variando de acordo com a música. Então, ora era rubi, ora era ouro, ora era safira, etc. e a música solta.

Quando terminou um turista deu um berro com os dois braços abertos: ele estava, como eu, simplesmente extasiado.

O Campanile começou a tocar, o concerto tinha acaba-do. Era uma verdadeira maravilha.

(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, 15/2/1972. Sem revisão do autor)

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de 'A cidade medieval' em meu email

GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

  1. Esta foto da Basílica de São Marcos vista de noite bem se poderia cognominar A PORTA DO PARAÍSO.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.