Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 26 de julho de 2011

O urbanismo medieval: glória da Igreja Católica

Albrechtsburg, Meissen, Sachsen. A cidade medievalO clero multiplicou nossos vilarejos, fez crescer e embelezou nossas cidades.

Diversos bairros de Paris, tais como os de Santa Genoveva e de Saint-Germain-l’Auxerrois, surgiram em parte às custas das abadias dos mesmos nomes.

Em geral, onde quer que se estabelecesse um mosteiro, ali se formava uma aldeia: a Chaise-Deiu, Abbeville, e muitos outros lugares levam ainda em seus nomes a marca de sua origem.

A cidade de Sante Salvatore, aos pés do Monte Cassino, na Itália, e os burgos circundantes, são obra dos religiosos de São Bento.



Em Fulda, Mainz, em todos os círculos eclesiásticos da Alemanha, na Prússia, Polônia, Suíça, Espanha, Inglaterra, uma multidão de cidades tiveram por fundadoras Ordens monásticas ou militares.

Fulda, a cidade medievalAs cidades que saíram mais cedo da barbárie, são aquelas mesmas que estiveram submetidas a príncipes eclesiásticos.

A Europa deve a metade de seus monumentos e de suas fundações úteis à munificência dos Cardeais, dos Abades e dos Bispos.

Mas dir-se-á, talvez, que esses trabalhos não atestam senão a riqueza imensa da Igreja.

Sabemos que se procura sempre diminuir os serviços: o homem odeia o reconhecimento. O clero encontrou terras incultas; nelas fez crescer as colheitas.

Tendo-se tornado opulenta pelo seu próprio trabalho, aplicou seus rendimentos em monumentos públicos. Quando lhe recriminais bens tão nobres, tanto em seu emprego quanto em sua fonte, o acusais ao mesmo tempo de “crime” de duas benfeitorias!

A Europa inteira não tinha nem caminhos nem pousadas; suas florestas estavam cheias de ladrões e assassinos; suas leis eram impotentes, ou, sobretudo, ali não havia lei alguma; a Religião só, como uma grande coluna elevada no meio das ruínas bárbaras, oferecia abrigos e um ponto de comunicação aos homens.

León, Parador San Marcos, para peregrinos. A cidade medieval
Sob a segunda linhagem de nossos reis, a França tendo caído na anarquia mais profunda, sobretudo os viajantes eram detidos, espoliados e mortos ao cruzar os rios.

Monges hábeis e corajosos tiveram a iniciativa de remediar estes males.

Pont de Espagne. A cidade medievalFormaram entre eles uma companhia, sob o nome de ‘hospitalários pontífices’ ou ‘fazedores de pontes’.

Obrigavam-se, pela sua instituição, a prestar socorro aos viajantes, a reparar os caminhos públicos, a construir pontes, a hospedar os estrangeiros nas hospedarias que eles elevavam à beira dos rios.

Fixaram-se primeiramente às margens do Durance, num local perigoso, chamado Maupas ou Mauvais-pas, que, graças a esses generosos monges, logo tomou o nome de Bon-pas, que guarda ainda hoje. Foi esta ordem que construiu a ponte sobre o Ródano, em Avinhão. Sabe-se que as encomendas e correios, aperfeiçoadas por Luís XI, foram primeiramente estabelecidas pela Universidade de Paris.

Sobre uma íngreme e alta montanha do Rouergue, coberta de neve e brumas durante oito meses do ano, percebe-se um mosteiro, construído pelo ano de 1120, por Alard, visconde de Flandres. Este senhor, retornando de uma peregrinação, foi atacado nesse local por ladrões; fez voto de, se se salvasse de suas mãos, fundar naquele deserto uma hospedagem para os viajantes, e de expulsar os bandidos da montanha.

Midi-Pyrenées, A cidade medievalTendo escapado ao perigo, foi fiel às suas promessas, e a hospedagem de Albrac ou de Aubrac elevou-se ‘in loco horroris et vastae solítudinis’, como diz a ata de fundação.

Alard ali fixou padres para o serviço da Igreja, cavaleiros hospitalários para escoltar os viajantes, e damas de qualidade para lavar os pés dos peregrinos, arrumar seus leitos, e cuidar de suas vestimentas.

Antes de partir para reinos estrangeiros, o viajante dirigia-se a seu Bispo, que lhe dava uma carta apostólica, com a qual passava seguro por toda a Cristandade. A forma dessas cartas variava conforme a categoria e a profissão do portador, donde serem denominadas 'formatae' .

Assim, a Religião ocupava-se em religar os fios sociais, que a barbárie rompia sem cessar.

Cesky Krumlov, República Checa. A cidade medieval
Em geral, os mosteiros serviam como hospedarias onde os forasteiros encontravam, na passagem, víveres e teto. Essa hospitalidade, admirada entre os antigos, e cujos restos ainda se vê no Oriente, era honrada entre nossos religiosos: vários dentre eles, com o nome de hospitalários, consagraram-se particularmente a essa virtude tocante.

Ela manifestava-se, como nos dias de Abraão, em toda a sua beleza antiga, pelo lava-pés, o fogo da lareira e as doçuras da refeição e do repouso. Se o viajante era pobre, davam-se-lhe vestidos, víveres e algum dinheiro para poder chegar a outro mosteiro, onde recebia os mesmos socorros.

Church Lane, Ledbury, Herefordshire. A cidade medievalAs damas montadas sobre seu palafrím, os valentes buscando aventuras, os reis extraviados durante a caçada, batiam, no meio da noite, à porta das velhas abadias, e vinham partilhar a hospitalidade que se dava ao obscuro peregrino.

Às vezes seis cavaleiros inimigos encontravam-se ali e se faziam amável recepção, até o nascer do sol, quando, com o ferro à mão, mantinham um contra outro a superioridade de suas pátrias.

Boucicault, na volta da cruzada da Prússía, alojado num mosteiro com diversos cavaleiros ingleses, sustentou, só, contra todos, que um cavaleiro escocês, atacado por eles nos bosques, fora morto traiçoeiramente.

Nessas hospedarias da Religião, considerava-se prestar muita honra a um príncipe se se lhe propunha de tomar alguns cuidados dos pobres que por acaso ali se encontrassem. O Cardeal de Bourbon, voltando após ter deixado a infortunada Elisabeth na Espanha, deteve-se no hospital de Roncevaux, nos Pirineus, serviu à mesa trezentos peregrinos, e deu a cada um três reais para continuarem sua viagem.

Le Poussin é um dos últimos viajantes que se beneficiou desse costume católico; foi à Roma, de mosteiro em mosteiro, pintando os quadros dos altares como retribuição pela hospitalidade que recebia.

Fonte: François René de Chateaubriand, « Génie du Christianisme », Garnier-Flammarion, Paris, 1966, Tomo II, pp. 219 a 226.




GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS SIMBOLOS

Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

  1. "O clero multiplicou nossos vilarejos, fez crescer e embelezou nossas cidades".Ou isto não faz sentido ou tem erros?

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.